Banner: Marco Antonio ///// Produção de Layout: Mariana Nunes

O MENINO E O POMBO

>> quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Paulinho, como toda a criança de sete anos, não sabia (sequer queria) se proteger de doenças. Queria apenas brincar, ser feliz. Queria ser criança.
As férias escolares eram um período chato do ano. No prédio onde morava, nenhuma criança de sua idade. Mas divertia-se a tarde toda no playground.
Uma tarde, olhando pela janela, reparou nos pombos da praça. Teve a idéia: com alguns trocados da mesada que ganhava do pai, fora até uma venda e comprara quirera (milho moído). Foi até a praça e atirou-a aos pombos. Ficou maravilhado com aquela festa que as aves fizeram.
Na tarde seguinte, depois do almoço, pegou mais um punhado de quirera e jogou de novo aos pombos. E assim foi nos dias seguintes, até que os pombos passaram a não temê-lo mais. Pelo contrário, Paulinho percebia que os pombos o aguardavam às 2 horas de todas as tardes.

Um dos pombos, cinza, pareceu confiar em Paulinho. Era o que mais se aproximava e Paulinho e este passou a dar-lhe a quirera colocando-a em suas mãos. O pombo voava até ela para comer o alimento.
As aulas voltaram logo após o Carnaval. Antes de fazer os deveres, Paulinho passava meia hora na praça. E aquele pombo parecia o aguardar. Um dia, Paulinho estava na varanda quando o pombo pousou na grade.
Os pais de Paulinho fizeram um pombal na varanda. E algum tempo depois, outro pombo apareceu. Na verdade, uma fêmea. O pombo de estimação de Paulinho arrumara uma namorada. Dias depois, ovinhos. E mais um pouco, três outros pombinhos vieram ao mundo.
E assim foi nos anos seguintes. Ao todo, a família contabilizou 26 novos pombos que nasceram naquele pombal da varanda. O pombo era de fato o grande amigo de Paulinho. Às vezes, Paulinho notava um pombo o seguindo no caminho da escola. E, numa antena da casa do lado, chovia ou fazia sol, um pombo cinza ficava ali a manhã toda, enquanto durasse a aula.
Um dia, Paulinho não viu o pombo no pombal. Naquela tarde, a festa da quirera na praça foi sem o pombo cinza. E assim se repetiu. Paulinho ficou triste. Sua mãe, ao levá-lo à escola, pediu para ir à biblioteca fazer uma pesquisa sobre pombos, para entender o que aconteceu e ajudar o filho.
Hoje, Paulinho virou Doutor Paulo. Tem duas filhas adolescentes, uma mulher maravilhosa. Cria dois cachorros numa casa ampla na zona sul de São Paulo. E todos os dias, ao ver pombos nas ruas e praças, lembra os dez anos que viveu com aquele pombo cinza. Seu primeiro animal de estimação. Sua primeira conquista. Seu primeiro grande amigo.

1 bedelhos!:

Tati 23 de ago de 2012 00:03:00  

O contexto é bacana, mas a felicidade em ter um pombo como amigo [algo genuíno] relacionando a um personagem que "conquistou" a felicidade em uma família comercial de margarina na zona sul merecia mais... pelo menos uma felicidade fora dos padrões como uma amizade com um pombo!

  © Blogger template Skyblue by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP